A VIRGEM pervertida por E. Chérri Filho

  
Escritor Atualizado 3 anos atrás
Idioma Portuguese Leituras 3395
Categoria

Romance

Curado

information
Este ebook foi avaliado por curadores selecionados pelo time do Widbook.
Publicado Setembro 02, 2014 Popular

Status Escrevendo

Gostaram do livro A VIRGEM pervertida

Ver todos (24)

Adicionaram A VIRGEM pervertida à Coleção

Ver todos (24)

Linha do tempo de A VIRGEM pervertida

17 de Abril de 2016 às 19:27
estou adorando seu livro
E. Chérri Filho 16 de Outubro de 2015 às 23:32 Vou publicar mais se quiser..:)
4 de Dezembro de 2014 às 10:32
Maravilhoso..... te prende na narrativa
View all 20 comments
E. Chérri Filho 27 de Setembro de 2014 às 01:59 BRENO 1 - Ela foi para a parte de traz da pequena igrejinha e lá estava Breno, um garoto, aprendiz de jardinagem, funcionário da faculdade. Ela correu pra cima dele e encostou-se à parede mordendo o seu pescoço. Abriu a camisa do menino, ele tinha por volta de dezenove anos de idade. Começou a chupar seu tórax que era largo e forte. Mordia e sugava. Com a mão direita acariciava seu pênis e esfregava sua perna entre as coxas de Breno. Garoto jovem, no cio, morava com o pai na faculdade, vivia suado e bronzeado. Estava armado até os dentes. Ele enfia as mãos nas coxas dela e vai subindo até sua bunda, acariciando-a. Ela olhava na cara do moleque totalmente entesado.
E. Chérri Filho 27 de Setembro de 2014 às 02:01 BRENO 2 - Na faculdade a linda e mocinha Mirian a jovem que odiava Rosyn, que a chamava de vadia, safada. A mesma que transava com o padre Felix, descobriu que Breno o jardineiro pegou Rosyn na capela. Ela não aguentou e seduziu o menino. - Olá. Breno? - Olá. Sim. - Nossa você é quem cuida das flores da faculdade? - Sim. Eu quem cuido. - Por isso elas estão belas como nunca. Breno estava suado vestido de macacão jeans sem camisa por baixo, cheio de terra e bota de exercito. Rosto escorria suor e seus braços sujos da terra e molhado, com uma luva grossa cor de camurça, ele acabará de plantar duas pequenas árvores, uma espécie de coqueiro.
E. Chérri Filho 27 de Setembro de 2014 às 02:01 O cara é o mesmo, mas a historia é diferente... :)
5 de Setembro de 2014 às 22:55